Intuito é disseminar informações, medidas preventivas e educativas sobre o tema

A Policlínica Estadual da Região do São Patrício realizou na manhã desta quinta-feira, 3, uma conscientização dos usuários da instituição em alusão a comemoração da Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, comemorada do dia 01 a 08 de fevereiro, instituída pela Lei nº 13.798/2.019.

A enfermeira Larissa Nolasco ministrou a palestra e enfatizou sobre a importância de disseminar para a população medidas para prevenção da gravidez na adolescência, que ocorre entre os 10 a 20 anos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Estima-se que no Brasil essa proporção alcance 23% da população.

“Apontada como uma gestação de alto risco decorrente das preocupações que traz à mãe e ao recém-nascido, a gravidez nesta faixa etária pode acarretar problemas sociais e biológicos. A gravidez na adolescência é muitas vezes encarada como uma forma negativa do ponto de vista emocional e financeiro das adolescentes e suas famílias, alterando drasticamente suas rotinas”, afirma a enfermeira.

Larissa destaca o número de adolescentes que se submetem a abortos inseguros, usando substâncias e remédios para abortar ou em clínicas clandestinas. “Isso tem grandes riscos para a saúde da adolescente e até mesmo risco de vida, sendo uma das principais causas de morte materna. Essas ações acarretam prejuízos às crianças, gerando um impacto na saúde pública, além da limitação no desenvolvimento pessoal, social e profissional da gestante”, explica.

De acordo com a profissional, um dos fatores mais importantes para prevenção é a educação. “Educação sexual integrada e compreensiva faz parte da promoção do bem-estar de adolescentes e jovens ao realçar a importância do comportamento sexual responsável, o respeito pelo outro, a igualdade e equidade de gênero, assim como a proteção da gravidez inoportuna, a prevenção de infecções sexualmente transmissíveis, a defesa contra a violência sexual incestuosa, bem como outras violências e abusos”, ressalta Larissa.

Cuidado

Organizações internacionais como a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) orientam a garantia de desenvolvimento integral na adolescência e juventude é uma responsabilidade coletiva que precisa unir família, escola e sociedade para articular-se com órgãos e instituições, públicas e privadas na formulação de políticas públicas de atenção integral à saúde em todos os níveis de complexidade, embasando-se em situações epidemiológicas, indicadores e demandas sociais, respeitando os princípios do Sistema Único de Saúde.

Ajustar fonte