Policlínica Estadual passará a ofertar esse serviço também para pacientes da região. Governador ressaltou benefícios para doentes renais crônicos

Por Hélmiton Prateado

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, inaugurou na manhã dessa terça-feira, 15 o serviço de hemodiálise da Policlínica Estadual da Região São Patrício, em Goianésia. A inovação faz parte do processo de regionalização da saúde empreendido pelo atual governo e será a terceira policlínica a ofertar atendimento para doentes renais crônicos.

Nessa primeira etapa foram instaladas sete cadeiras para hemodiálise, sendo seis efetivas e uma de reserva para o caso de precisar atender algum paciente em isolamento ou garantia. Nos dois turnos, pela manhã e à tarde, e durante seis dias da semana os pacientes vão poder realizar hemodiálise na nova unidade.

“Investimos R$ 6 milhões em equipamentos para o centro de hemodiálise da Policlínica Estadual da Região São Patrício. Com a regionalização da saúde, os pacientes renais crônicos terão acesso a tratamento com o mesmo padrão dos melhores hospitais particulares do país, sem precisar viajar centenas de quilômetros para isso. É uma demonstração de respeito do nosso governo para com os goianos”, ressaltou Caiado.

Uma das sete cadeiras será mantida como reserva técnica para utilização em caso de transferência de paciente. Além dos equipamentos novos e insumos, é oferecida assistência com equipe multiprofissional, que inclui médico nefrologista, enfermeiros nefrologistas e técnicos em enfermagem, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, fisioterapeutas, cardiologistas, entre outros. Pacientes que utilizam o serviço de hemodiálise também recebem alimentação balanceada para complementar o tratamento.

“A hemodiálise é um serviço que, no Brasil, está restrito a algumas cidades. A gente conta com o poder privado, com a filantropia, mas o poder público precisa deixar isto como legado. Está aí mais uma entrega da Saúde do Estado de Goiás. O governador Ronaldo Caiado ficará marcado na história como governador da saúde”, projeta o secretário de Estado da Saúde, Ismael Alexandrino.

Ajustar fonte